sábado, 21 de maio de 2016

Pico: Trilho Vulcões da Calheta de Nesquim

Devido às muitas dificuldades em compatibilizar a nossa agenda com o calendário dos trilhos organizados pelo municipio das Lajes, foram seis os meses em que estivemos afastados destas andanças.

O trilho proposto era quase igual a um que tinhamos feito exactamente há 14 meses atrás, mas com uma surpresa muito interessante, a descida à segunda maior cratera da ilha do Pico, acrescentando 600m metros ao trilho anterior, alcançando-se os 10km.

Como o passeio anterior já tinha sido documentado sugerimos uma visita à publicação Pico: Trilho Primavera na Calheta de Nesquim para mais informações e vizualização do traçado.

IMG_0018IMG_0002
Descida à Cratera
IMG_0024IMG_0031
Cabeço da Lança (esq.) e Vista do topo do Cabeço do Silvado (dir.)
IMG_0032IMG_0035
Vistas do topo do Cabeço do SilvadoIMG_0033-001
São Jorge… de ponta a ponta
IMG_0044IMG_0045
Descendo o Cabeço do Silvado (esq.) e Descendo a Pedra Aguda (dir.)

segunda-feira, 21 de março de 2016

Pico… um pouco por todo o lado

Com a participação no Curso de Guias dos Parques Naturais dos Açores, tivemos a oportunidade de fazer 3 visitas de estudo, visitando lugares por nós já conhecidos mas observando-os de uma forma diferente: observando a fauna e flora e passando a identificar bastantes espécies, conhecendo a geologia dos locais, assim como a sua história.

05-03-2016 São Roque – Lajes do Pico – Ponta da Ilha – Planalto Central – São Roque

Durante o Módulo da Biodiversidade fizemos uma grande volta de reconhecimento, desde a cota do mar, até ao Planalto Central. Já tínhamos estado em todos os locais por onde passámos mas nunca com este intuito de identificar plantas… de facto é um mundo diferente… em poucos minutos e em áreas bastante pequenas a quantidade de espécies encontradas, principalmente nativas e endémicas é impressionante. O estado de excitação do nosso formador que com um brilho nos olhos nos debitava os nomes de todas as espécies, era contagiante, sendo apenas dificil acompanhar , escrever, fotografar e memorizar toda a informação.

Tolpis azoricaAngelica lignescens
Tolpis azorica (esq.) e Angelica lignescens (dir.)
Hedera azoricaBellis azorica
Hera – Hedera azorica (esq.) e Margaridas – Bellis azorica (dir.)
Elaphoglossum semicylindricum_1Elaphoglossum semicylindricum_2
Língua de Vaca – Elaphoglossum semicylindricum
Azorina vidaliiDaucus Carota_2
Vidália – Azorina vidalii (esq.) e Salsa Burra – Daucus carota (dir.)
Corema Album
Corema Album_2
Camarinha – Corena album
Huperzia suberectaLotus Azoricus_1Lotus Azoricus_2
Huperzia suberacta (esq.) e Lotus azoricus (centro e dir.)
Plantago coronopusIMG_8838-001
Diabelha - Plantago coronopus (esq.) e Umbigo de freira (dir.)
myosotis maritima_1
myosotis maritima_2
Não me esqueças – Myosotis maritima
Silene Uniflora_1Silene Uniflora_2spergularia azorica
Bremim – Silene uniflora (esq. e centro) e Spergula azorica (dir.)

19-03-2016 São Roque – Lajido – Criação Velha – São Mateus – São Roque

Tivemos direito a nova visita, mas desta vez muito menos dedicada à natureza e mais à história e cultura, nomeadamente a Cultura da Vinha.

Começámos em São Roque vendo fosseis (sim também existem por cá) de troncos de arvores, carbonizados aquando de uma erupção vulcânica, seguindo para  a reserva natural das Furnas de Santo António.

IMG_9147
Fossil

A partir daqui foi quase tudo vinha, currais, rola pipas, relheiras, poços de maré e casas senhoriais, com execepção de algumas curtas paragens para a observação de curiosas formações geologicas como tumuli, crista de pressao e tufos.

IMG_9169IMG_9188
Fogos (dir.) e Solar dos Arriagas (dir.)
IMG_9164IMG_9191
Morro Castelo Branco (esq.) e Adegas (dir.)

20-03-2016 Lajes do Pico – Falha Arrife - Planalto Central – Caminho dos Burros – Lagoa Capitão – Lajes do Pico

Desta vez não só os formadores mas também os formandos (divididos por grupos) fizeram de guias interpretando a paisagem e partilhando conhecimentos.

Começámos o dia na Vila das Lajes, eregida em plana fajã lávica resultante da erupção do Vulcão 405, da qual resultou um crescimeto da ilha. Olhando para terra fácilmente se percebe  a existencia da anterior linha de costa (arriba fóssil).

Seguimos até ao miradouro do Arrife, com vista priveligiada para grande parte da freguesia das Ribeiras, mas também importante pela sua localização, mesmo sobre uma falha, sendo perceptvel a movimentação do terreno ao longo da mesma.

IMG_9206IMG_9208
Vistas Miradouro Arrife

Seguimos para o planalto central, passando pelas lagoas e reserva natural do Caveiro, deixando o autocarro para caminhar um pouco pelo caminho dos burros. Mais uma vez tivemos oportunidade de identificar muitas espécies de flora local, com particular atenção para a erva do capitão, que não tinhamos identificado na última visita.

IMG_9210IMG_9214
Lagoa no topo do Cabeço junto à Lagoa da Rosada
IMG_9222IMG_9237IMG_9236
Espigos de Cedro - Arceuthobium azoricum (esq. e centro) e Huperzia dentata (dir.)
IMG_9224IMG_9245IMG_9246
Urze – Erica azorica (esq.) e Trovisco Macho – Euphorbia stygiana (dir.)
IMG_9251IMG_9257IMG_9261
Língua de Vaca – Elaphoglossum semicylindricum (esq.) Tamujo - Myrsine africana (centro) e Erva do Capitão - Sanicula azorica (dir.)

Por fim, seguimos de autocarro até à lagoa do Capitão, regressando posteriormente às Lajes.

IMG_9268
São Jorge e Graciosa

domingo, 13 de março de 2016

Pico – Gruta das Torres (tramo superior)

Esta foi mais uma atividade memorável, organizada pelo Geoparque Açores, Parque Natural do Pico, uma visita à “outra” Gruta das Torres, um tramo superior ao habitualmente visitável.

Foram 800 metros de um enorme túnel lávico com altura máxima de 15 metros, com as habituais apresentações muito interessantes do nosso guia, Paulino Costa, diretor do Parque Natural do Pico.

As condições meteorológicas no exterior eram bastante adversas mas a visita correu como se nada se passasse lá fora. Foi uma mostra de que no Pico, se o tempo não permite ou favorece uma caminhada, subida ao Pico ou outra atividade exterior, temos sempre a alternativa de visitar o interior da terra.

IMG_9101IMG_9102
Entrada
IMG_9035IMG_9036
Ação humana despropositada… um mero desenho feito em poucos segundos, com a ponta dos dedos sobre a capa de bactérias das paredes de uma gruta, pode por lá permanecer por muitos anos… este foi feito antes da gruta ser aberta ao público (há mais de 10 anos), e continua intacto. (esq.) e parede da gruta (dir.)
IMG_9064IMG_9041IMG_9043
Salpicos (esq.) e Estalactite (centro e dir.)
IMG_9046IMG_9048
Estalactites
IMG_9062IMG_9053IMG_9072
Estreitamento das paredes e aumento da altura da gruta (esq.) Abertura no final (dir.)IMG_9095IMG_9077
Fantasmas (esq.) e Aberturas ao fim de 800m (dir.)

No fim foi tempo de pic-nic, organizado pelos 9 elementos que se faziam transportar na nossa “carrinha mágica”, mas que se estendeu a todas as pessoas presentes… houve queijo fresco, bolo de caramelo, filhoses, bolo chocolate, pitas, húmus, couscous, pasta de atum, pão, maçã, laranjas… mais pessoas houvesse para comer.

Esta foi uma atividade única, muito interessante…